Nosso Culto Racional

“Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês.” (Romanos 12:1)

Romanos 12 começa com o que poderíamos chamar de uma promessa condicional. A promessa é que vamos conhecer a “boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” As condições são as seguintes: “Portanto, irmãos, rogo-lhes pelas misericórdias de Deus que se ofereçam em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês. Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente […]”
Para conhecer a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus, devemos nos apresentar a Deus. Nos primeiros 11 capítulos de Romanos, o apóstolo Paulo escreve sobre o fato de que estamos todos separados de Deus pelo nosso pecado. Não há nada que possamos fazer, através de nossa própria força, para corrigir essa nossa situação. Mas Deus mostrou o seu amor para conosco, enviando Cristo para morrer por nós e perdoar-nos de todo o pecado. Portanto, em função disso, considerando tudo o que Deus fez por você, Paulo diz o que você deve fazer: “[…] se ofereçam em sacrifício vivo.”
Devemos nos apresentar à Ele como oferendas. E as oferendas não são dadas; elas são entregues. Sua vida é algo que você pode ofertar a Deus. É um sacrifício vivo, portanto. Geralmente, sacrifícios estão mortos. Os sacrifícios que foram mortos não se contorcem no altar, mas sacrifícios vivos têm uma tendência a fazer isso. Então, devemos nos oferecer dia a dia como sacrifícios vivos.
A Bíblia também diz que esse é o nosso “culto racional”. A palavra “racional” usada em Romanos 12:1 pode ser melhor traduzida como “lógico ou consciente”. Em outras palavras, não faz sentido algum não fazer isso. Um comprometimento sem convicção é ilógico.
Portanto, se você quiser saber a vontade de Deus, apresente-se como um sacrifício vivo.