Fé e Não Sentimento

“Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego. Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: ‘O justo viverá pela fé’.” (Romanos 1:16-17)

Por que será que muitas vezes pessoas radicalmente convertidas (ou que pelo menos assim parecem) tornam-se muito passionais sobre sua nova fé e então, de repente, desistem de tudo? Eles parecem ter tido a conversão mais incrível de todas; mas – de repente – a coisa esfria e deixam a fé de lado.

– Como isto é possível?

Possivelmente tais pessoas nunca foram, de fato, convertidas. Não se trata da emoção do momento, mas do teste do tempo. Se a pessoa é de fato Cristã, ela continuará sendo – ainda que não necessariamente de forma perfeita ou sem mácula. É ainda possível que um Cristão fique ‘desligado’ por um tempo.

Mas se alguém crê em Deus de fato, ele sempre irá voltar. Se ele se afastar e nunca voltar, é porque nunca acreditou. Como 1 João 2:19 diz: “Eles saíram do nosso meio, mas na realidade não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; o fato de terem saído mostra que nenhum deles era dos nossos.”

Pode ser que tenham construído sua fé apenas sobre uma experiência emocional (embora isso não seja regra, às vezes uma conversão pode ser cheia de emoção). Não podemos construir nossas vidas em cima de emoções, pois estas vêm e vão. A pessoa que espera que a vida cristã seja uma corrida de fortes emoções todos os dias, pode ficar desapontada ao acordar numa manhã e não sentir coisa alguma. E é nesse momento que se faz necessário crescer e caminhar por fé e não por sentimentos.

Romanos 1:17 diz: “O justo viverá pela fé”. Ainda assim alguns constroem todo o seu relacionamento com Deus com base em experiências emocionais e quando elas não aparecem, desistem. Assim, constroem suas vidas sobre fundações erradas.