Regozijando-se na Verdade

Regozijando-se na Verdade

“Falem e ajam como quem vai ser julgado pela lei da liberdade.” (Tiago 2:12)

Quantas vezes alguém já nos disse: “Você sabia que fulano fez isso e aquilo?” E quantas vezes a nossa resposta foi: “Não. Conte-me, conte-me!” Quantas vezes temos acreditado cegamente em boatos?

E quantas vezes a nossa resposta foi: “Espere aí! Você já falou com ele sobre isso? Ou então: Talvez ele não tenha feito isso. Ou: Eu não acredito que ele faria uma coisa dessas.” Bem poucas, não é verdade?

Em outras palavras: deveríamos pensar sempre o melhor dos outros. Mas o que frequentemente ocorre é que acabamos pensando o pior, não é mesmo?

Como é triste e embaraçoso quando descobrimos que repassamos adiante algo que era totalmente furado e que ajudamos a atiçar ainda mais o fogo da maledicência. Como é dolorido quando somos caluniados e os outros acreditam sem ao menos virem conferir conosco se aquilo era mesmo verdade. Esse não é o comportamento que um cristão deve adotar.

A Bíblia nos diz que o amor “acredita em tudo” (1 Coríntios 13:7). Outra maneira de traduzir este versículo é, “O amor acredita no melhor de cada pessoa.” Isso significa que, como membros do corpo de Cristo e como cristãos amorosos, não devemos viver desconfiando dos outros. Nem tampouco devemos ser cínicos. Se, por exemplo, algum outro membro da igreja de Jesus Cristo é acusado de fazer algo errado, devemos demonstrar amor por ele considerando-o inocente até que se prove o contrário. Mais do que isso: temos o dever de defender essa pessoa.

O amor de Deus “não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade” (1 Coríntios 13:6). O amor de Deus acredita no melhor de cada pessoa.